Buscar
  • Luiz Ribeiro

“Se não protegermos os mananciais e não evitarmos a desertificação, não haverá água no futuro”

Atualizado: Set 17






A Prefeitura de Curitiba e o Governo do Estado deram mais um passo na busca por soluções contra a crise hídrica que afeta a capital e diversos municípios do Paraná. Em solenidade no Palácio 29 de Março, o prefeito Rafael Greca e o governador Carlos Massa Ratinho Júnior assinaram decretos que criam a Reserva Hídrica do Futuro, na região das cavas do Rio Iguaçu; e o grupo de trabalho responsável pela sua implantação.


Foi assinado também o Termo de Cooperação Técnica que permite o início das ações conjuntas para a implantação da área da reserva. Fazem parte do documento o município de Curitiba, representado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e IPPUC; e o Estado do Paraná, representado pelo Instituto Água e Terra (IAT), Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) e Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar).


A Reserva Hídrica do Futuro é um programa de governo, de resiliência e adaptação às mudanças climáticas, que vêm mudando o regime de chuvas mundialmente. No Paraná, há cerca de um ano e meio, a estiagem já causa uma série de problemas de escassez hídrica e rodízio de abastecimento de água para a população.


Com as ações previstas na área da Reserva, que incluem a interligação das antigas cavas do Rio Iguaçu para a formação de lagos, deve ser possível suprir o abastecimento de água para a população em momentos de estiagem. Levantamentos preliminares indicam a capacidade de reservação de 43 bilhões de litros de água somente dentro dos limites de Curitiba.


O projeto prevê, também, a proteção das áreas com planos de ocupação ordenada e a criação de parques.


O prefeito Rafael Greca reforçou a importância de proteger os mananciais de água enquanto é tempo e lembrou que o custo da prevenção da sua degradação é muito menor do que se for necessário desocupar e recuperar essas áreas.



“Se não protegermos os mananciais e não evitarmos a desertificação, não haverá água no futuro”, alertou Greca, ao lado do vice-prefeito e presidente do Pró-Metrópole, Eduardo Pimentel.

Para o governador Ratinho Júnior, é uma garantia de que as futuras gerações não precisarão experimentar os problemas causados pela falta de chuvas na Grande Curitiba.

“Estamos tratando de um grande projeto de planejamento, feito pelos melhores técnicos ambientais do Governo do Estado e da Prefeitura de Curitiba, que vai criar um corredor de biodiversidade para proteger nossas áreas de mananciais”, disse.

Curto e médio prazo

Pelo programa Reserva Hídrica do Futuro, já estão em andamento, na capital, ações de sensibilização da população para o consumo consciente e racional da água e aumento da capacidade de reservação com a implantação de 30 poços subterrâneos e instalação de reservatórios em áreas de maior vulnerabilidade social.



Presenças

Estiveram presentes, ainda, o secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Paraná, Guto Silva; o diretor-presidente do Instituto Água e Terra, Everton Luiz da Costa Souza; o diretor-presidente da Comec, Gilson de Jesus dos Santos; o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile; o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Cesar Gonchorosky; o secretário do Governo Municipal e presidente do Ippuc, Luiz Fernando Jamur; e a subprocuradora-geral do Município, Rosa Maria Alves Pedroso.


Também participaram da solenidade os prefeitos de Piraquara, Josimar Aparecido Knupp Froes; de Fazenda Rio Grande, Nassid Kassem Hammad; da Lapa, Diego Ribas; e de Balsa Nova, Marcos Antonio Zanetti. Além da vice-prefeita de Pinhais, Rosa Maria; o vice-prefeito de São José dos Pinhais, Assis Manoel Pereira; o secretário do Governo de Araucária, Genildo Carvalho; e o vereador Pier Petruzziello.

17 visualizações0 comentário