Ippuc recebe universitários para nova fase do Laboratório de Soluções Urbanas Inovadoras




O projeto Laboratório de Soluções Urbanas Inovadoras, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), inicia mais uma cooperação técnica de integração e fomento de pesquisa voltados às questões urbanas da cidade. A nova fase das ações do laboratório começou nesta semana, com o alinhamento sobre a disciplina de extensão que fará parte da grade curricular acadêmica de diferentes cursos da Universidade Positivo (UP) neste semestre.


Para alinhar a rotina e o conteúdo da cooperação técnica, o Setor de Monitoração do Ippuc recebeu o professor Rivail Vanin de Andrade, da UP. Graduado em Arquitetura e Urbanismo, mestre em Geografia e com doutorado na área de Arquitetura e Urbanismo, Rivail Andrade trouxe a proposta acadêmica da UP para a disciplina de “Pesquisa aplicada e meio ambiente”, com foco na discussão de questões ambientais nas centralidades de Curitiba.

“A participação do Ippuc é essencial. A ideia é que os estudantes tenham contato com uma demanda real da sociedade e que eles possam contribuir de forma efetiva. A aprendizagem se dá com o diálogo entre os universitários e o Ippuc”, disse Andrade.

O primeiro projeto do Laboratório de Soluções Urbanas Inovadoras aconteceu no segundo semestre de 2021. Para os próximos semestres, serão incluídas ainda mais duas disciplinas com as temáticas "Ateliê de urbanismo e paisagismo IV" e "Pesquisa e sociedade - Projeto de inovação".


Para abrir as atividades de 2022, o Ippuc vai desafiar os universitários com questões contemporâneas, como os temas “centralidades funcionais" e "meio ambiente". Técnicos do Instituto deverão acompanhar o desenvolvimento da disciplina, contribuindo com assessorias técnicas aos estudantes e ministrando aulas, oficinas e/ou dinâmicas formativas.


Estão previstos cinco encontros ao longo do semestre, sendo que o primeiro acontece no dia 22 de março, com a apresentação do método de pesquisa e do conceito das Centralidades Funcionais de Curitiba. Na oportunidade, técnicos e estudantes vão esclarecer dúvidas sobre o conceito e se aprofundar em seis centralidades:


- Rua Izaac Ferreira da Cruz (Regional Bairro Novo) - Avenida Prefeito Erasto Gaertner (Regional Boa Vista) - Rua Delegado Leopoldo Belczak (Regional Cajuru) - Avenida Brasília (Regional Pinheirinho) - Rua Professor João Falarz (Regional Santa Felicidade) - Rua Enette Dubard (Regional Tatuquara)


Ao final do semestre, os alunos vão apresentar seus artigos de conclusão com o detalhamento das pesquisas de campo, e a proposta das Soluções Urbanas Inovadoras passíveis de aplicação nas áreas de cada centralidade trabalhada.

“Iniciativas como esta são de enorme relevância para as partes envolvidas. Para os estudantes, contribui na formação de profissionais mais capacitados para enfrentar os desafios de nosso tempo. Para o Ippuc, agrega ao desenvolvimento de projetos e ações inovadoras, fortalecendo o diálogo com a sociedade e a identificação das demandas enfrentadas pela população” comentou Pedro Portugal Sorrentino, arquiteto e urbanista do Setor de Monitoração do Ippuc.

Centralidade funcional


Centralidade funcional é a terminologia adotada pelo município de Curitiba como referência aos compartimentos territoriais que atendem simultaneamente aos critérios de alta densidade de estabelecimentos comerciais varejistas e de serviços de uso intermitente ou não frequente e de intensa atratividade de viagens destinadas a compras e assuntos pessoais.


Tais compartimentos assumem um papel essencial em períodos pandêmicos como o vivenciado na atualidade, uma vez que a sua existência e distribuição espacial possibilita a realização das demandas diárias da população em regiões próximas aos locais de residência, contribuindo com a redução dos deslocamentos e a distribuição dos fluxos de circulação na cidade.





5 visualizações0 comentário