Buscar
  • Luiz Ribeiro

De Escola de Turismo a consultorias em inovação, Prefeitura apoia setor para volta dos viajantes



O setor de turismo está entre os mais afetados pela pandemia da covid-19. Por isso, o Plano de Retomada Econômica de Curitiba, lançado pelo prefeito Rafael Greca no ano passado, contempla várias ações do município que têm ajudado a reduzir os impactos no setor e a preparar toda a cadeia da capital para a volta do fluxo de viajantes.


De cursos da inédita Escola de Turismo a mais de 1,5 mil consultorias gratuitas em inovação da Prefeitura e Sebrae/PR, as informações sobre as ações estão reunidas no portal Retomada Curitiba.


Com a parceria do Instituto Municipal de Turismo e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná (Sebrae/PR), Curitiba ganhou o maior programa de qualificação gerencial gratuito voltado ao segmento de turismo já oferecido pela Prefeitura. Entre novembro de 2020 e junho de 2021, empreendedores e empresas tiveram acesso a soluções inovadoras que estão ajudando a fazer melhor, mais rápido e com menor custo a gestão de negócios e a presença digital, beneficiando os setores de hotelaria, gastronomia, receptivo, artesanato e comércio.

"Com o convênio, foi investido R$ 1 milhão em consultorias em gestão e inovação ministradas por especialistas do Sebrae/PR e que resultaram em 1.523 atendimentos a empreendedores e empresas do trade", conta Tatiana Turra, presidente do Instituto Municipal de Turismo.

Uma das participantes das consultorias foi a empresária Maria Lopes Bonamigo, proprietária do Restaurante Jeito Mineiro, na Rua Riachuelo, que recebe muitos turistas que visitam o Centro Histórico da capital. Além de ter um raio X do seu negócio, ela recebeu o acompanhamento dos especialistas do Sebrae/PR para lançar uma marca de refeições congeladas só de receitas caseiras de dobradinha, rabada, feijoada e lasanha. Assim, nasceu a linha Jeito Mineiro Express à venda em seu restaurante.


“Fizemos uma consultoria voltada para a precificação do cardápio dos congelados, uma vez que são processos muito diferentes daqueles que eu utilizo no restaurante. Passamos a aplicar as boas práticas de fabricação e de segurança alimentar, além de planejar novas maneiras de comercializar e divulgar, inclusive nas redes sociais”, conta Maria.

29 visualizações0 comentário