Curitiba tem a maior estação de tratamento de esgoto do Paraná



A Estação de Tratamento de Esgoto Belém (ETE Belém) teve a sua capacidade ampliada de 1,5 mil litros por segundo para pouco mais de 2,5 mil litros por segundo. A estação faz o tratamento de esgoto de cerca de 800 mil moradores de Curitiba e São José dos Pinhais e fica na divisa dos municípios, junto ao Parque Náutico.


As obras, que fazem dela, agora, a maior estação de tratamento do Estado, foram entregues na manhã desta quinta-feira (28/4). O prefeito Rafael Greca participou da solenidade com a presença do governador Ratinho Júnior, do diretor-presidente da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), Claudio Stabile, e do ministro do Desenvolvimento Regional, Daniel de Oliveira Duarte Ferreira.


Greca destacou e agradeceu os investimentos que incrementam o saneamento de Curitiba ao Governo do Paraná e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Vemos nessa estação um horizonte de ainda melhor saneamento e qualidade de vida para a população, além da grandeza do trabalho que é realizado pela Sanepar, em parceria com a nossa prefeitura e com demais prefeituras do Paraná, de melhoria da saúde pública e do meio ambiente”, disse Greca.

O prefeito lembrou, ainda, que Curitiba caminha para a universalização da cobertura de rede de esgoto, que já chega a 98% na cidade. O tratamento acontece em 100% do esgoto coletado pela Sanepar.


Investimento

De acordo com a Sanepar, os investimentos na ampliação e modernização da ETE Belém chegam a R$ 120 milhões e o aumento do atendimento ocorrerá de forma gradativa. A ampliação permite que a estação supra a demanda de crescimento dos municípios atendidos até 2033.


Para o governador Ratinho Júnior, o projeto concretiza a parceria e o planejamento do Estado para atingir os objetivos do Desenvolvimento Sustentável. “O Paraná tem a previsão de mais R$ 9 bilhões em investimento em saneamento para os próximos anos e vai se tornar um estado 100% saneado”, contou.


Inovação

Em operação desde 1980, a ETE Belém utiliza um processo desenvolvido na Holanda. Nesta obra de ampliação, a Sanepar utilizou aço inox na execução de tanques que atuam como decantadores primários. O material, que substitui o concreto armado, requer menor manutenção. Foram implantados quatro decantadores primários de aço inox, cada um com 4.800 metros cúbicos.



Os novos tanques também modificam o processo de tratamento, tornando-o mais eficiente do ponto de vista energético. Por dia, a ETE Belém produz cerca de 840 metros cúbicos de lodo que são enviados à CS Bioenergia. Lá ocorre o tratamento anaeróbio e, consequentemente, a geração de biogás que é convertido em energia elétrica e calor em vez de serem enviados diretamente para aterro sanitário.


“Nosso planejamento prevê não só a ampliação do atendimento à população, mas também a adoção de tecnologia sustentável que contribua para o meio ambiente”, afirma o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile.


Presenças

Participaram o vice-governador do Paraná, Darci Piana; o vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel; e o secretário de Meio Ambiente de São José dos Pinhais, Wagner Luiz Zaclikevis.


Da equipe da Sanepar, os diretores de Investimento, Leura Conte; e de Meio Ambiente, Julio Gonchorosky; o gerente-geral, Fábio Basso; o gerente-operacional de esgoto, Ernane Ramme; a engenheira responsável pela obra, Josiane Castro Corrêa; e o gerente de projetos e obras, Anderson Prezenhuk.




7 visualizações0 comentário